fbpx

milho

Exportação brasileira de milho em novembro chega à 2,71 milhões de toneladas e já é 47% do previsto para o mês

Exportação brasileira de milho em novembro chega à 2,71 milhões de toneladas e já é 47% do previsto para o mês

O Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços divulgou, por meio da Secretaria de Comércio Exterior, seu relatório semanal que aponta as exportações acumuladas de diversos produtos agrícolas até o final da segunda semana de novembro.

Somente nesses 9 dias úteis do mês, o Brasil exportou 2.271.076,1 toneladas de milho não moído. Este volume já representa um acréscimo de 1.111.411,7 com relação à semana anterior e já é 44,04% de tudo o que foi embarcado durante o mês de outubro inteiro (5.156.818 toneladas).

Com isso, a média diária de embarques ficou em 252.341,8 toneladas, patamar 2,13% menor do que a média do mês passado (257.840,9 toneladas). Em comparação ao mesmo período do ano passado, a média de exportações diárias ficou 22,79% maior do que as 205.514,2 do mês de novembro de 2019.

Em termos financeiros, o Brasil exportou um total de US$ 412.310,8 no período, contra US$ 697.921,9 de todo novembro do ano passado. Já na média diária, o atual mês contabilizou acréscimo de 31,28% ficando com US$ 45.811,3 por dia útil contra US$ 34.896,1 em novembro do ano passado.

Já o preço por tonelada obtido registrou elevação de 6,92% no período, saindo dos US$ 169,80 do ano passado para US$ 181,50 neste mês de novembro.

Na última semana, a Anec (Associação Nacional dos Exportadores de Cereais) elevou sua estimativa de exportação de milho no mês de novembro para 4,8 milhões de toneladas ante as 4,15 milhões esperadas anteriormente.

Para chegar neste volume, a país ainda terá que embarcar mais 2.528.923,9 toneladas nos próximos 11 dias úteis do mês. Caso mantenha a média diária de exportação o volume poderá ser ainda maior.

De janeiro a outubro, os principais destinos das 26.273.672 toneladas de milho brasileiro foram Japão (13%), Irã (12%), Vietnã (8,7%), Espanha (8,4%) Egito (8,1%), Taiwan (7,8%) e Coréia do Sul (6,7%). Já nas origens, o cereal brasileiro exportado veio, em sua maioria, do Mato Grosso (63,7%), seguido de Goiás, Mato Grosso do Sul, Paraná e Maranhão.

Source: https://www.noticiasagricolas.com.br/noticias/milho/273732-exportacao-brasileira-de-milho-em-novembro-chega-a-271-milhoes-de-toneladas-e-ja-e-47-do-previsto-para.html

Read more
Com dólar em alta, Mato Grosso aumenta exportações de produtos e já fatura U$ 1 bilhão a mais

Com dólar em alta, Mato Grosso aumenta exportações de produtos e já fatura U$ 1 bilhão a mais

O alto preço do dólar, que beira os R$ 6, tem levado os produtores de Mato Grosso para o mercado externo e o reflexo se vê nos dados de exportação elaborados e divulgados pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC). Entre janeiro e agosto deste ano, o estado aumentou as exportações em 8,5% em relação ao mesmo período do ano passado e já é responsável por 9,5% das vendas que o Brasil faz para o mercado exterior, ficando em quarto lugar no ranking nacional dos exportadores.

Em oito meses, o valor de vendas dos produtos mato-grossenses chegou a quase U$ 12,9 bilhões. O valor é 8,5% a mais do que os R$ 11,9 bilhões a mais do que o período entre janeiro e agosto de 2019, que já era a maior venda dos últimos dez anos. Com as importações em baixa de 11,3%, o superávit da balança comercial ficou superior a U$ 11,7 bilhões.
A soja em grãos foi o produto mais vendido e corresponde a 57% das exportações estaduais. O farelo da soja e outros alimentos para animais tem 11% de participação do mercado. O milho aumentou as vendas, também chegou a 11% e passou o algodão, com 8,4%. A carne corresponde a 8,2% das vendas e o restante se divide entre ouro, madeira e derivados dos produtos primários.

Sozinha, a China comprou U$ 4,6 bilhões de Mato Grosso e ficou com 36% do mercado. A variação em relação ao período passado é de 10%, o que equivale a U$ 428 milhões a mais injetados nos produtores locais. A Holanda, Espanha, Turquia e Tailândia, que completam os maiores mercados, também aumentaram as compras e ajudaram a melhorar os números de Mato Grosso.

Source: https://www.sonoticias.com.br/economia/com-dolar-em-alta-mato-grosso-aumenta-exportacoes-de-produtos-e-ja-fatura-u-1-bilhao-a-mais/

Read more
Government studying withdrawing import tariffs on rice, soy and corn

Government studying withdrawing import tariffs on rice, soy and corn

The Ministry of Agriculture stated that it is considering the possibility of requesting the temporary inclusion of rice, corn and soy in the list of exceptions to the Common External Tariff (LETEC). The objective is to balance the domestic market and curb the increase in prices for basic food basket products.

The measure is under discussion at the Ministry of Agriculture and should be taken to the Foreign Trade Chamber (Camex), structured by the portfolio and by ministries such as Economy and Foreign Affairs.

The proposal has not yet been formalized and requires a prior request from the private sector. In the case of rice, this request has already been made. It is noteworthy that the import rate for countries outside Mercosur is 12% for rice and 8% for soybeans and corn.

Once approved, the request will be adopted on a preventive basis. According to the folder, in September the media should enter the agenda of the Executive Management Committee (GECEX), Camex's executive collegiate nucleus.

Source: https://sagresonline.com.br/governo-estuda-retirar-tarifas-de-importacao-de-arroz-soja-e-milho/

Read more