fbpx

Archives for September 2020

Port complex of Itajaí and Navegantes, second largest in the country, behind only the Port of Santos

Port complex of Itajaí and Navegantes, second largest in the country, behind only the Port of Santos

Itajaí (SC) - The port complex of Itajaí and Navegantes gained spotlight when it received the import of the first Gripen hunting, of the Brazilian Air Force, manufactured in Sweden. Vehicles are just one of the types of goods handled in the port complex of Itajaí and Navegantes, which is the second largest in Brazil in container handling, behind only the Port of Santos.

The last few months have seen an increase in cargo handling in the port complex of Itajaí and Navegantes: the port of Itajaí has ​​grown by 12% in the first semester 2020, and Navegantes registered 7% more compared to the same period in 2019. Adding this cargo movement to the ports of Itapoá, São Francisco do Sul and Imbituba, the state of Santa Catarina participates with approximately 20% of all exports of Brazilian cargo.

Structure

The port complex of Itajaí and Navegantes occupies the margins of the mouth of the river Itajaí-açu, which separates the two cities in Santa Catarina, and has road access, a few kilometers away from the BR 101 and BR 470 highways. Itajaí and 6 more private terminals, among them the Navegantes terminal.

Itajai

THEPort of Itajaíit is located on the right bank of the Itajaí-Açu River, about 3.2 km from its mouth. It has 2 mooring berths with a length of 500m, asphalted and bonded patios with a total of 60 thousand m², a 25.5 thousand m² asphalt bonded backport, as well as a tourist pier with a 78 m long berth and two dolphins. mooring with a distance of 217 meters.

The new Evolution Basin, which started operating in June with ships above 306 meters, has already attracted the largest container ship to operate on the Brazilian coast, the APL PARIS, which is 347 meters long and 45.20 meters wide.

Navigators

The structure of the Port of Navegantes (Portonave) has a total area of ​​400 thousand m², with approximately 360 thousand m² of bonded area, divided into three mooring berths, on a 900m linear pier, with a static storage capacity of 30 thousand TEUs. Portonave started operations in 2007 and was the first private container terminal in the country.

Currently, Portonave has an outstanding infrastructure, with 6 Portainers, 18 Transtainers, 40 Terminal Tractors, five Reach Stacker forklifts and four empty forklifts, two scanners and 2,100 reefers.

goods

The port complex of Itajaí and Navegantes is the largest exporter of frozen chicken in Brazil. The Port of Itajaí has ​​a complete infrastructure for loading and unloading dry and reefer cargoes, while the Navegantes Port has an important competitive advantage with a fully automated Iceport cold store, which has six stacker cranes and static capacity for 16 thousand pallets.

Loads of ceramic articles, wood and by-products, kraft paper, machinery and accessories, tobacco, textile products, sugar and frozen meat also pass through the site.

Thinking of carrying out your foreign trade operations in Santa Catarina? The reduction of ICMS in the import operations in Santa Catarina is usually an attraction for companies that use the ports and airports of the state in customs clearance.

Source: https://www.comexdobrasil.com/complexo-portuario-de-itajai-e-navegantes-segundo-maior-do-pais-atras-apenas-do-porto-de-santos/

Read more
Sanctioned law extending drawback deadlines by one year

Sanctioned law extending drawback deadlines by one year

Result of the conversion of MP 960, adopted to reduce pandemic impacts, legislation applies to the suspension and exemption regimes.

Law no. 14.060 was sanctioned on Friday, which extends the terms of the suspension and exemption drawback regimes for one year, informed the Ministry of Economy. The law is the result of the conversion of Provisional Measure (MP) 960, of May 4, adopted to reduce the impacts of covid-19 on the Brazilian economy.

Drawback regimes seek to make Brazilian products more competitive by relieving taxes on imports and local purchases of inputs for the production of goods destined for the foreign market.

Last year, US $ 49.1 billion were exported using drawback, according to data from the Foreign Trade Secretariat (Secex). The value represents 21.8% of Brazil's total foreign sales in the period.
According to the Ministry of Economy, the original text of MP 960 extended the deadlines only for the suspension drawback. However, the law extended the benefit to the exemption regime.
As a result, companies gained more time to carry out imports authorized under this regime and which have a deadline to be completed. It was estimated that, in a scenario of declining activity and lower revenues, the purchase of inputs in the authorized quantities could cause cash difficulties for exporters.
In the exemption drawback, the company exports and, with that, gains the right to purchase inputs without taxes to eventually use in a future export.
According to data from Secex, there are 325 concessionary drawback exemption acts due this year and authorized input replacements in the order of US $ 942.3 million. Of these, US $ 424.9 million, or about 45% of the total, refer to operations that, with the new law, may be concluded in 2021.

Por Lu Aiko Otta, Valor

Source: https://valor.globo.com/brasil/noticia/2020/09/25/sancionada-lei-que-prorroga-prazos-do-drawback-por-um-ano.ghtml

Read more
Chinese industry becomes synonymous with safety and excellence for the production of Brazilian companies

Chinese industry becomes synonymous with safety and excellence for the production of Brazilian companies

CuritibaBrazil exported US $ 47.3 billion to China between January and August 2020 - in the same period, imports from the Asian country were US $ 21.7 billion. Figures that make China the main trading partner of Brazil. Historically, Brazil exports agricultural products and imports parts to be assembled in Brazilian factories or various manufactured products.

The use of excellent Chinese production is a way found for decades by Brazilian companies to offer products with extremely high quality indexes and competitive prices.

For many years, the import of raw materials and products from China was interpreted as synonymous with cheap, low-quality products. But this is not the current reality. The world's leading companies, including brands with products for the most luxurious market, such as Apple, use Chinese factories due to the country's production and labor costs, which make the process cheaper than in other places.

Leader of the motorcycle parts market in Latin America, Paraná Laquila has been operating for more than three decades in partnership with Chinese factories. Initially, some of the company's products suffered with certain distrust and prejudice from the market, but state-of-the-art procedures established quality control processes in favor of the safety of products developed and sold by its 25 own brands, among them GP7, KMP and WW3, and 16 representations.

“In the past, it was thought that the bad quality was from China, while the good one came from Taiwan. All the good technology from Taiwan is in China now. We have suppliers who were from Taiwan and migrated to China, because the economic environment is cheaper ”, comments Laquila's Commercial Support manager, Iael Trosman.

“This is a movement that has been going on for 30 years, with a view to gaining a competitive advantage within the market. And, in the end, it ends up being good for everyone ”, complements.

For Iael, the expertise in the market added to the knowledge of partners from the eastern country (both the factories themselves and companies that monitor the processes) guarantee the total quality of the imported products.

“In our experience, the contracts with these suppliers are well tied, ensuring that the delivery is within the quality parameters that we have established, always thinking about the safety and reliability of the products”, he says. Iael reports that the company conducts annual inspections and visits without prior scheduling to carry out the verification and selection of partner factories.

“At meetings, we follow the manufacturing process as a whole, which says a lot about each supplier's products. It is possible to find different levels of quality in China, so we need to know the local factories and their internal quality control well to choose the right partners and guarantee the required parameters ”, completa Iael.

(*) With information from Laquila

Source: https://www.comexdobrasil.com/industria-chinesa-vira-sinonimo-de-seguranca-e-excelencia-para-a-producao-de-empresas-brasileiras/

Read more
Foreign Trade Chamber included vaccines against Covid-19 and manufacturing inputs in the list of products with zero tariffs.

Government decides to zero import tariff for inputs and vaccines against Covid-19

The Chamber of Foreign Trade also extended, until the end of October, zero tariffs for the import of 562 items. Vaccines are still being studied in the world; government predicts distribution in 2021.

The Foreign Trade Chamber (Camex) of the Ministry of Economy decided on this Thursday (17th) to include vaccines against Covid-19 and the inputs for manufacturing vaccines in the list of products with zero import tariffs.

The decision was published in the “Diário Oficial da União” and is valid until the end of October, but can be renewed.

Vaccines against the new coronavirus are still being studied in several countries around the world, including England, China, United States, Russia e Brazil (click on the country name to find out more details about the studies).

According to the director of the Butantan Institute, Dimas Covas, the institute will receive this year 15 million doses of the vaccine Chinese CoronaVac.

The release for use of the vaccine in the population, however, will depend on the result of clinical tests and the approval of the National Health Surveillance Agency (Anvisa).

In the case of the vaccine developed by the University of Oxfordin the United Kingdom, the Ministry of Health predicts that distribution will take place in January 2021.

Coronavirus products

In addition to including vaccines against Covid-19 in the list of products with zero tariffs, Camex also decided to extend, from the end of September to the end of October, the import tax zeroed for 562 products used to prevent and combat the coronavirus .

According to the Ministry of Economy, the list includes medicines and medical and hospital products as well as inputs, as well as components and accessories used in the manufacture and operation of items used during the pandemic of the new coronavirus.

“The objective of the measure is to increase the supply of goods destined to fight the pandemic, in addition to machines and inputs used in the national manufacture of these products. In this way, the government is increasing availability and decreasing costs for the Brazilian health system ”, added the government.

Source: https://g1.globo.com/economia/noticia/2020/09/17/coronavirus-governo-decide-zerar-tarifa-de-importacao-para-insumos-e-vacinas.ghtml

Read more
Logistic competitiveness

Logistical competitiveness: new investments in the Port of Paranaguá

Projects include expansion of the vehicle yard, the participation of the railway modal and improvements in road accesses

Com mais de 38 milhões de toneladas de cargas movimentadas de janeiro a agosto deste ano, o Porto de Paranaguá acumula alta de 8,4% em relação ao mesmo período de 2019. Entre exportações e importações, a atividade portuária teve crescimento médio de 8% ao mês em 2020, dado que reforça seu papel essencial na economia do Paraná. E que vem ao encontro de investimentos realizados no último ano, como as obras de dragagem continuada que começaram em 2019 e vão até 2023. “É uma campanha longa, com obras permanentes para manter a segurança da navegação em nossos portos, com respeito e cuidado com o meio ambiente”, destaca o diretor-presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia. O investimento total será de R$ 403 milhões.

Today, the Port of Paranaguá is considered one of the best public ports in Brazil, strengthened byexport of agro-industry productsof State. “The industries export products such as cellulose, soy bran and oil, sugar, vehicles and containerized products, especially chicken meat and wood. In imports, fertilizers used in agriculture stand out, as well as raw materials for plastic and chemical industries, fuels and vehicle parts”, says João Arthur Mohr, Strategic Affairs manager of the Fiep System.

Investments in land logistics

In recent years, the Port of Paranaguá has taken a leap in performance. In addition to the dredging works, several projects complement the logistical infrastructure. “Currently, 80% of the cargo handled by the port uses trucks. Oneprepared road systemto receive these vehicles, it includes efficient roads, viaducts, avenues in Paranaguá, signage, access points and plenty of space for parking, loading and unloading,” explains Mohr.

Em julho deste ano, a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) autorizou a Portos do Paraná a fazer um leilão de arrendamento de uma nova área de veículos no Porto de Paranaguá. Chamada de PAR12, fica no lado leste do cais, na retaguarda do Terminal de Contêineres de Paranaguá (TCP). O espaço será destinado para movimentar veículos, com 74 mil metros quadrados.

Os investimentos nas operações portuárias envolvem outras obras terrestres, como a restauração e ampliação de capacidade da Avenida Ayrton Senna da Silva, um dos acessos ao porto, e a ampliação do modal ferroviário do Paraná. “O objetivo é que pelo menos 50% da carga movimentada pelo porto seja embarcada por ferrovia, para aumentar a eficiência do transporte. O frete por trilhos é mais sustentável do ponto de vista ambiental e mais barato, já que permite transportar grandes volumes e foge de gargalos nas estradas”, cita o gerente do Sistema Fiep. “Se queremos crescer, precisamos de uma adequada recepção ferroviária. É um modal ainda subaproveitado no porto. Ao capacitar e melhorar nosso modal, o conjunto logístico do porto ganha”, afirma Luiz Fernando Garcia.

export corridor

Operado por dez empresas, o Corredor de Exportação do Porto de Paranaguá é responsável por uma movimentação anual de 18 milhões de toneladas de granéis sólidos. Soja, farelo e milho produzidos no Paraná são embarcados para atender o mercado internacional, especialmente China e Estados Unidos. O país asiático comprou US$ 406,3 milhões de soja em grãos somente no mês julho, de acordo com dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia. O produto é o recordista em exportações, com 11,5 milhões de toneladas movimentadas pelo Corredor entre janeiro e agosto de 2020. Em seguida, vem o farelo de soja, com 3,2 milhões de toneladas exportadas no período, e o milho, com 546.334 toneladas.

In early August, the working group of the State Railway Plan had the first meeting to prepare a plan that willdevelop and expand Paraná's railways, with a direct impact on this export chain. Points such as the privatization of Ferroeste, the sustainable development of transport services by this modal and the construction of an exclusive unloading hopper to receive railway cargo in the Export Corridor are listed. The project benefits the entire logistics chain – ports, operators, transporters – with an increase in unloading capacity and a reduction in costs.

For the population, the immediate improvements generated by this unloading reorganization will be the elimination of road and rail interference, increased safety, fluidity in urban circulation, and the reduction of noise, especially that generated by train horns.

Terminal extensions

O Terminal de Contêineres de Paranaguá (TCP), que integra o complexo do Porto, iniciou investimentos na ordem de R$ 2,5 bilhões para ampliar suas instalações. Com a maior capacidade do Brasil, é o segundo terminal em movimentação de cargas. Até o momento, foram entregues obras de ampliação do pátio, que totaliza 490 mil m² de área, e de ampliação dos berços de atracação. “Com todos os investimentos, o TCP – Terminal de Contêineres de Paranaguá aumentou em 60% sua capacidade de movimentação, passando de 1,5 milhão de TEUs/ano para 2,5 milhões de TEUs/ano”, comenta Thomas Lima, diretor comercial da TCP. Cada TEU (Twenty-feet Equivalent Unit) equivale a um contêiner de 20 pés de comprimento, aproximadamente sete metros. Adquirido pela chinesa CMPort em 2018, o TCP analisa outros projetos de ampliação.

Source: https://g1.globo.com/pr/parana/especial-publicitario/fiep/sistema-fiep/noticia/2020/09/11/competitividade-logistica-novos-investimentos-no-porto-de-paranagua. ghtml

Read more
Trade balance has a surplus

Balança tem superávit de US$ 1,795 bilhão na primeira semana de setembro

A balança comercial brasileira fechou a primeira semana de setembro com superávit de US$ 1,795 bilhão e corrente de comércio de US$ 6,458 bilhões, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Economia (Secex/ME), divulgados na terça-feira (08/09). As exportações chegaram a US$ 4,127 bilhões e as importações, a US$ 2,332 bilhões. No ano, as exportações totalizam US$ 142,447 bilhões e as importações, US$ 104,372 bilhões, com saldo positivo de US$ 38,076 bilhões e corrente de comércio de US$ 246,819 bilhões.

Médias– Nas exportações, comparadas as médias até a primeira semana de setembro de 2020 (US$ 1,031 bilhão) com as de setembro de 2019 (US$ 966,59 milhões), houve crescimento de 6,7%. Já as importações tiveram queda de 25,8%, na mesma comparação – US$ 582,95 milhões agora contra US$ 785,48 milhões em setembro do ano passado.

Total– Assim, até a primeira semana deste mês, a média diária da corrente de comércio totalizou US$ 1,615 bilhão e o saldo, também por média diária, foi de US$ 448,69 milhões. Comparando-se este período com a média de setembro de 2019, houve queda de 7,8% na corrente de comércio.

Exportações por setor e produtos– No acumulado até a primeira semana de setembro, em relação à média diária do mesmo mês do ano anterior, as exportações tiveram crescimento de US$ 23,01 milhões (+13,6%) em agropecuária e de US$ 91,03 milhões (+42,7%) em indústria extrativa, mas recuaram US$ 46,22 milhões (-8%) em produtos da indústria de transformação.

Aumento– Esta combinação levou a um aumento no total das exportações, destacando-se o crescimento nas vendas de produtos agropecuários como milho não moído, exceto milho doce (+58,3%), café não torrado (+17,3%), produtos hortícolas, frescos ou refrigerados (+150,5%), madeira em bruto (+105,5%) e tabaco em bruto (+82%).

Indústria extrativa– Na indústria extrativa, as principais altas foram de minério de ferro e seus concentrados (+50,8%), óleos brutos de petróleo ou de minerais betuminosos, crus (+26,3%), minérios de cobre e seus concentrados (+149,4%), outros minérios e concentrados dos metais de base (+133,4%) e pedra, areia e cascalho (+40,9%).

Importações por setor e produtos– As exportações acumuladas até a primeira semana de setembro, comparadas à medida diária de setembro de 2019, diminuíram US$ 3,41 milhões (-21,6%) em agropecuária; US$ 23,96 milhões (-65,4%) em indústria extrativa e US$ 174,98 milhões (-23,9%) em produtos da indústria de transformação.

Agropecuário– No setor agropecuário, essa queda nas importações foi puxada, principalmente, pela diminuição em pescado inteiro vivo, morto ou refrigerado (-76,7%), trigo e centeio, não moídos (-24,2%), látex, borracha natural, balata, guta-percha, guaiúle, chicle e gomas naturais (-59,8%), cacau em bruto ou torrado (-100%) e cevada, não moída (-98,7%).

Indústria extrativa– Na indústria extrativa, o impacto maior foi de óleos brutos de petróleo ou de minerais betuminosos, crus (-100%), gás natural, liquefeito ou não (-100%), carvão, mesmo em pó, mas não aglomerado (-10,3%), outros minérios e concentrados dos metais de base (-49,5%) e outros minerais em bruto (-30,7%).

Indústria de transformação – Já a indústria de transformação teve redução nas importações de plataformas, embarcações e outras estruturas flutuantes (-98%), óleos combustíveis de petróleo ou de minerais betuminosos, exceto óleos brutos (-65,6%), obras de ferro ou aço e outros artigos de metais comuns (-64%), torneiras, válvulas e dispositivos semelhantes para canalizações, caldeiras, reservatórios, cubas e outros recipientes (-60,8%) e adubos ou fertilizantes químicos, exceto fertilizantes brutos (-18,1%). ​(Ministry of Economy)

See full trade balance data

Fonte: http://www.paranacooperativo.coop.br/ppc/index.php/sistema-ocepar/comunicacao/2011-12-07-11-06-29/ultimas-noticias/130115-comercio-exterior-balanca-tem-superavit-de-us-1795-bilhao-na-primeira-semana-de-setembro

Read more
Balança comercial

Balança comercial tem superávit recorde de US$ 6,6 bilhões em agosto

O Brasil obteve saldo comercial de US$ 6,6 bilhões no mês de agosto, um aumento de 68,9% em relação ao mesmo mês do ano passado. Foi o melhor superávit para o mês de agosto de toda a série histórica, iniciada em 1989, superando o recorde anterior, de US$ 5,6 bilhões, em agosto de 2017. Os dados foram divulgados nesta terça-feira (01/09) pela Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Economia (Secex/ME).

Exportações– No mês passado, as exportações chegaram a US$ 17,7 bilhões, com recuo de 5,5% em relação a agosto de 2019, quando atingiram US$ 19,7 bilhões. Assim como em julho de 2020, o recuo ocorreu devido à queda dos preços dos bens exportados, que em agosto foi de 11,4%. Já o Índice de Quantum teve aumento de 3,4%.

Imports– As importações ficaram em US$ 11,1 bilhões, com redução de 25,1% em relação aos US$ 15,6 bilhões de agosto de 2019. “Embora a queda de importação seja significativa, podemos observar uma taxa de redução menor. No mês anterior, as importações haviam caído 35%”, comentou o subsecretário de Inteligência e Estatísticas de Comércio Exterior da Secex, Herlon Brandão, durante coletiva à imprensa.

Daily average– Na comparação com julho, a média diária das importações teve leve aumento em agosto, de US$ 500 milhões para US$ 530 milhões.

Corrente de comércio– Esses resultados de exportações e importações levaram a uma contração de 14,2% da corrente de comércio no mês, com total de US$ 28,9 bilhões contra US$ 35,2 bilhões em agosto do ano passado.

Redução– A redução das exportações no mês foi influenciada principalmente pelo recuo das vendas para América do Sul (-24,4%), América do Norte (-21,2%) e Europa (-11,1%). A Ásia, por sua vez, continua sendo o destaque positivo, com crescimento de 8,7%. Já na origem das importações, houve quedas das compras de América do Norte (-45%), América do Sul (-24%), Europa (-22,7%) e Ásia (-15,9%).

Setores– Os produtos agropecuários continuam como destaque positivo nas exportações, apresentando aumento de 14,6%. “Isso explica também o aumento para a Ásia, que é o principal destino desses bens”, destacou Brandão.

Indústria extrativa– Na indústria extrativa, houve queda de 15,4% nas vendas externas e, na indústria de transformação, de 7,7%. “Tudo isso motivado pela redução das cotações internacionais dos produtos”, explicou. As quantidades exportadas em agosto de 2020, contra agosto de 2019, crescem em todas as categorias. O maior aumento foi no setor agropecuário (+12,9%).

Transformação– Na importação, a queda foi puxada principalmente pela indústria de transformação (-23,8%), que responde por 94% das compras do país no exterior. O recuo, nesse caso, foi motivado por quedas tanto de preços quanto de quantidades. “A demanda brasileira por bens importados está em queda, por conta da baixa atividade econômica”, disse o subsecretário.

Estabilidade– Na média diária, o Brasil registrou um comportamento estável das exportações. Ao contrário do que vem acontecendo com o comércio mundial, que diminuiu 11% ao longo do primeiro semestre do ano, o volume das exportações brasileiras cresceu nos primeiros oito meses do ano. Mesmo em valor, há um comportamento estável. “Um pouco abaixo de 2019, mas sem grandes oscilações”, ponderou.

Tendência– Nas importações, porém, a tendência foi de queda no primeiro semestre, até junho, com estabilidade em julho e agosto, pela média diária. Segundo Brandão, isso está em linha com a queda da demanda brasileira e mundial.

YTD– No acumulado do ano, o superávit comercial atingiu US$ 36,6 bilhões, alta de 14,4% em relação aos US$ 32,2 bilhões do saldo até agosto de 2019. Nos oito meses, houve aumento do volume exportado (+3,8%) e queda dos preços (-8,6%). Na média diária, o valor exportado recuou 6,6% no ano. Na importação, a queda foi de 12,3% de janeiro a agosto, com recuos tanto no volume (-9,5%) quanto nos preços (-7,1%).

Comparativo– As exportações atingiram US$ 138,6 bilhões, contra US$ 149,3 bilhões do mesmo período de 2019. As importações ficaram em US$ 102 bilhões, diminuindo em relação aos US$ 117,1 bilhões até agosto do ano passado. Com isso, a corrente de comércio ficou em US$ 240,7 bilhões, 9,1% abaixo dos US$ 266,4 bilhões de janeiro a agosto de 2019.

Recorde na soja– No ano, o setor agropecuário também é destaque, com alta de 18,9% nas exportações, mas as indústrias de transformação (-14,2%) e extrativa (-8,6%) puxam o resultado para baixo, levando a um recuo médio de 6,6%. “Temos um recorde 76 milhões de toneladas de soja exportadas durante os primeiros oito meses do ano. Isso soma US$ 26 bilhões de exportação de soja nesse período”, pontuou Brandão.

Queda– Já nas importações, no acumulado até agosto, os três setores registraram queda – de US$ 0,93 milhões (-5,5%) em agropecuária; de US$ 17,75 milhões (-38,6%) em indústria extrativa; e de US$ 66,56 milhões (-10,5%) em produtos da indústria de transformação.

Previsão– A Secex deve divulgar a nova previsão da balança comercial do ano ao final deste trimestre, junto com os dados da balança de setembro.

Influências– Segundo Brandão, as previsões divulgadas no final do primeiro semestre foram influenciadas pelo cenário de pandemia e pela expectativa de queda no comércio mundial. A estimativa era de saldo comercial de US$ 55,4 bilhões em 2020, um aumento de 15,2% em relação a 2019.

Menor que a projetada– No entanto, a queda nos oito meses foi menor do que a projetada. “Temos notado um comportamento da exportação muito robusto, com esses volumes crescendo e batendo recordes. Nos preços, apesar da queda, há uma sustentabilidade no patamar. Faltam quatro meses para fechar o ano e esses quatro meses vão pesar menos no total de 2020. Então, é possível que as quedas, tanto de importação quanto de exportação sejam menores do que estamos projetando”, antecipou. (Ministry of Economy)

Veja os dados completos da Balança Comercial em agosto

Source: http://www.paranacooperativo.coop.br/ppc/index.php/sistema-ocepar/comunicacao/2011-12-07-11-06-29/ultimas-noticias/129976-comercio-exterior-balanca-comercial-tem-superavit-recorde-de-us-66-bilhoes-em-agosto

Read more